Como Compramos Hoje em Dia?

Escrito por Quinta-feira 12 Março 2015

O nosso estilo de compra mudou completamente nas últimas décadas - é do conhecimento de todos. O processo de compra dos nossos avós ou mesmo dos nossos país, já não é relevante nos dias de hoje.

Como Compramos Hoje em Dia?
As regras mudaram assim como as tuas necessidades. Estamos mais conectados uns aos outros e como tal, existe maior procura - principalmente pelos bens que mais sentimos falta e que tornam a nossa vida mais confortável. O "boom" do comércio online é o resultado desta evolução, contudo, a indústria do comércio é determinada pelas necessidades dos consumidores, o que se tem notado com o aumento de serviços self-service. 

O que estamos a reparar é o surgimento de 2 tipos de consumidores: os tradicionais que são constituídos por aqueles que gostam de admirar de perto a experiência física nas lojas e e os consumidores online que não tiram prazer deste tipo de experiência e por isso não lhe adicionam qualquer valor. 

Então... quais as reais diferenças entre estes 2 tipos de consumidores? Será que  estão condenados a uma competição interna ou é possível chegar a um acordo? 

Lojas Físicas vs E-commerce

É claro que ambos estes métodos de pagamento têm vantagens e desvantagens no que concerne à tomada de decisão do consumidor. 

As lojas tradicionais permitem que possamos ver, tocar e experimentar os produtos. Enquanto que alguns consumidores podem não se importar com a experiência física, outros consideram que é algo vital para o processo de compra e como tal, também existe uma consciência do mesmo no processo de compra online. 

Outra característica fundamental para as lojas é o aspeto social. Pode até parecer contraditório mas com o surgimento do mundo digital, os consumidores estão mais exigentes e procuram cada vez mais contacto humano e socializar. Mesmo comigo, prefiro ir ao supermercado no meu bairro do que ir a uma grande superfície comercial.  Os produtos são basicamente os mesmos, contudo, às vezes o aspeto social é valioso o suficiente para me fazer esquecer os inconvenientes das lojas físicas e reconhecer as vantagens do e-commerce (praticabilidade, poupa-se tempo, etc). 

Por outro lado, tenho que admitir que o comércio online oferece mais benefícios que as lojas tradicionais. O preço, as informações disponíveis, a vasta gama de seleção e até mesmo as opiniões dos clientes que não podemos ler nas lojas físicas. Confesso que sou conhecida por passar horas a fio a fazer compras online, a navegar pelas centenas de produtos e a procurar o melhor preço. 

Admito que mesmo se compararmos as vantages das lojas físicas e online, nas lojas online temos mais facilidade em comparar preços, ler opiniões de consumidores, saber tudo sobre o produto, em suma, existem claras vantagens de comprar online. 

E para aqueles que são "prós no digital" que entram nas lojas que vão às lojas para testar o produto, tomar nota de alguns conselhos do vencedor e chegam a casa e vêm o produto a um preço reduzido - sabemos exatamente o que fizeste - não há como escondê-lo. 

Não te preocupes, não estamos aqui para te julgar, no final estamos todos aqui para o mesmo. Queremos que compres o teu "bolo" e que desfrutes dele; tira partido de todas as vantagens da web e da loja ao mesmo tempo! 

Agora é tempo de desmistificar quem vence: comércio online ou a loja física. Na nossa opinião, eles ganham os dois em conjunto e por isso as lojas procuram também criar boas sinergias entre ambos.    

1) Pagamento Mobile

A grande cadeia de retalho Walmart  integrou um sistema digital no smartphone dos consumidores com um sistema completo de pagamento nas lojas. Os consumidores podem simplesmente scannear os seus ítens na app mobile, adicioná-los ao carrinho de compras e finalizar o pagamento. 
Os pagamentos mobile estão a tornar-se mais e mais acessíveis e, grande parte deles, desenvolve sistemas para melhorar a experiência do user online. 

2) Geolocalização 
A tecnologia de geolocalização vem incentivar a crescente procura pelas lojas de comércio a vários níveis. A Apple por exemplo, desenvolveu a tecnologia iBeacon  para criar um conjunto de novas experiências para os consumidores. Este sistema identifica a localização do consumidor e rastreia os seus movimentos até às lojas, enviando notificações push e mensagens de "welcome" ou promocionais ou mesmo ainda sobre produtos específicos. 

Em França, Carrefour  (uma cadeia de supermercados) desenvolveu um sistema que orienta geograficamente o consumidor até à loja. Esta orientação baseia-se na lista de ítens do mesmo que guardou no seu smartphone. Como está associado ao pagamento mobile, o sistema pode ainda proceder ao pagamento diretamente no smartphone. Uma excelente coisa a reter sobre este sistema é que o mesmo funciona fora das loja e adapta-se ao comportamento do consumidor e não o contrário. 

3) Integração das Redes Sociais 
O conceito de partilha é fundamental para os novos consumidores. Estamos constantemente à procura de novas oportunidades e a pedir opiniões ou conselhos entre os membros da nossa comunidade. Como tal, muitas foram as marcas que decidiram dar resposta a este comportamento nas suas lojas. 
C&A, por exemplo, decidiu testar a ideia na loja de São Paulo, incorporando um ecrã em algumas peças de roupa que apresenta o número de "likes" que cada item reuniu na app do Facebook. 

A marca Pull&Bear inovou ao criar o serviço de interactividade na loja La Corogna em Espanha. Tendo em conta outras funcionalidades, existem ecrãs de grande dimensão que permitem ao cliente tirar fotos dos outfits e obter opinião dos amigos servindo assim de embaixadores da marca ao mesmo tempo. Só vantagens para ambas as partes.  

Pull & Bear não é a única marca que explorou os benefícios deste tipo de dispositivos, isto é uma tendência a crescer de uma forma muito rápida e que cada vez mais se vê por aí (Kiabi, Jules, etc). 

4) O Cross- Channel
O Cross Channel é uma das grandes vantagens das lojas online. Isto requer uma envolvência simultânea de ofertas ao consumidores nos seus canais de distribuição para que possam desfrutar de ambas as experiências. As lojas físicas são transformadas em pontos de venda digital, oferecendo novidades reservadas ao e-commerce (como por exemplo a customização, o catálogo completo, a possibilidade de comprar online na loja, etc). Neste caso o digital e os aspetos físicos tiram maior partido se existir uma coordenação de ambos, oferecendo uma experiência maior ao user. 

Várias lojas de retalho providenciam uma experiência única e interactiva ao consumidor. Vários retalhistas já testaram este conceito e puseram-no à prova, tais como Mark & Spencer, Foot Locker e Adidas. 

Como podes ver, já não existem grandes obstáculos e as marcas começam agora a perceber  as vantagens de delinear uma estratégia entre o digital e o comércio tradicional. Obviamente, a meta é transformar o consumidor num user mais participativo do que nunca e existem várias possibilidades para o fazer: cartões de fidelidade digital, um Club Card para seus clientes mais fieis, informação no processo de compra, social sharing, geolocalização... existe uma possibilidade para todos e as possibilidades estão a aumentar. 
 
Traduzido por Catarina Crespo 



Insira seu endereço de e-mail